UnB Perto de Você reuniu projetos de extensão selecionados em edital do DEX; evento teve transmissão ao vivo da UnBTV

 

Mesmo com a pandemia, a extensão da Universidade de Brasília (UnB) não para. Diversos projetos selecionados no edital do Polo de Extensão da Estrutural se apresentaram à comunidade no Webinário UnB Perto de Você, realizado pelo Decanato de Extensão (DEX) na última terça (30/06). O evento foi transmitido ao vivo e pode ser assistido na íntegra no canal da UnBTV no Youtube.

 

Em novembro do ano passado, a UnB inaugurou o Polo de Extensão do Recanto das Emas, espaço físico para integrar as ações de extensão que acontecem na cidade. Selecionados por meio de edital do DEX, quinze projetos participaram da atividade.

 

Decana de Extensão, a professora Olgamir Amancia destacou o compromisso da Universidade com a sociedade, principalmente em tempos de pandemia. “Nós trabalhamos na lógica da interação, de uma formação que pressupõe a convivência e o encontro. Para nós, fazermos uma atividade de extensão sem a presença física é um desafio”. 

 

A reitora da UnB, Márcia Abrahão, ressaltou a diversidade de projetos participantes do Polo. “Estou muito feliz de ver esses projetos, de todas as áreas do conhecimento, de várias unidades acadêmicas”, disse. Ela também agradeceu o administrador do Recanto das Emas pela parceria que viabilizou o espaço físico do Polo de Extensão.

 

O administrador, Carlos Dalvan, comemorou a parceria com a UnB. “A comunidade tinha essa demanda histórica, até pensando nessa atmosfera de desenvolvimento que estamos criando”, disse. “É uma conquista importante”.

 

Atuação dos projetos durante a pandemia – Entre os projetos selecionados para o Polo, quatro têm como objetivo o Acompanhamento e Análise do Novo Ensino Médio, e vão desenvolver suas atividades no CEM 804, escola localizada no Recanto das Emas. Os projetos vão analisar disciplinas em diversas áreas, e têm como coordenadores Eloisa Pilati, do Instituto de Letras, Igor Lima, da Matemática, Marcelo Cigales, da Sociologia, e Khalil Portugal, do Instituto de Física.

 

Os projetos vão auxiliar na avaliação do Novo Ensino Médio pela Secretaria de Educação do DF, trazendo reflexões externas ao processo. Os 12 extensionistas selecionados no edital irão acompanhar o CEM 804. Com a pandemia, as observações realizadas pelo projeto deverão ser virtuais. “Vamos tentar fazer o panorama de como esse processo não-presencial tem afetado a vida da comunidade escolar”, explicou o professor Khalil Portugal. 

 

Também com atuação planejada no CEM 804, o projeto Roda das Minas: Política Públicas para meninas está produzindo conteúdos digitais com a ajuda das extensionistas. Jéssica Rocha, aluna de mestrado na UnB, contou que o projeto teve início como um coletivo na Faculdade de Administração, Ciências Contábeis, Economia e Gestão de Políticas Públicas (FACE).  “Usávamos o espaço da FACE para promover rodas de conversa sobre temas de gênero e dificuldades que enfrentamos por ser um espaço majoritariamente masculino”, disse. 

 

Com ajuda da professora Magda Lúcio, do curso de Gestão de Políticas Públicas, as alunas formalizaram o projeto de extensão para levar essa metodologia para outros espaços. Trabalhando em duas escolas por semestre, em dois anos de projetos elas já levaram rodas ao CEM 6, na Ceilândia, no CEDLAN, no Lago Norte, no CEAM, na Asa Norte, e no CED 1, no Riacho Fundo.

 

O UniverCidade, cursinho pré-vestibular Honestino Guimarães, é uma iniciativa da pasta de extensão do Diretório Central dos Estudantes. Gustavo Lima, o coordenador da pasta, contou que o projeto está se reinventando durante a pandemia, pois as atividades foram pensadas como presenciais, no espaço físico do Polo.

 

Segundo Gustavo, o cursinho surgiu de uma demanda da comunidade do DF e dos alunos da UnB que vêm de escolas públicas. Hoje, a atuação tem sido online. “Estamos fazendo a seleção dos professores para o cursinho”, disse o estudante. “Também vamos iniciar a série Educação em tempos de pandemia, que vai trabalhar temas relevantes da educação brasileira”.  

 

Outro projeto que teve que se reinventar foi o “Defensoras e defensores populares: educação e informação na democratização do acesso à justiça”. A professora Talita Rampin, da Faculdade de Direito, contou que o projeto foi iniciado em 2019 em parceria com a Defensoria Pública do DF, a partir de uma demanda de capacitação em direito para lideranças comunitárias. “Nossa intenção inicial era replicar essa metodologia no Recanto das Emas”, disse. 

 

Para conhecer todos os projetos, assista o vídeo na íntegra.

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.